O sistema de pagamentos instantâneos já é realizado em alguns países como Índia e China, onde as transições bancárias, ou seja, são realizadas em tempo real. É uma tecnologia vem crescendo muito nos últimos anos, deixando para trás os meios tradicionais.

A liquidez imediata é considerada uma grande vantagem, o recurso entra na conta do receptor em questão de segundos através da leitura de um QR Code, independente da instituição em que esteja domiciliada a conta. É algo simplificado para que não haja necessidade de acrescentar muitos dados.

Essa nova forma de pagamento eletrônico tem grande potencial de diminuir ainda mais o dinheiro em espécie devido sua praticidade e liquidez. Além de reduzir custos com emissão cédulas, provavelmente reduzirá também a utilização de DOC e TED, pois trata-se de uma forma de operação mais barata. Nesse caso, outra área que sofrerá com essa nova tecnologia é o marcado de cartões, mais precisamente a função débito.

A participação será flexível, podendo ser usado por pessoa física, jurídica, entes governamentais etc. Será possível atuar instituições financeiras, participantes diretos e outras entidades interessadas que tenham parceria com os participantes diretos. Os requisitos fundamentais foram divulgados em 2018 pelo Banco Central e a expectativa é que entre em vigor em 2020.

Contará com infraestrutura de liquidez controlada através do Banco Central, onde as transações serão liquidadas individualmente, baseada no sistema de liquidação bruta. Toda essa novidade será um grande desafio aos atuais players, pois precisarão de mais agilidade para adaptar-se à nova realidade.