O Banco Central está desenvolvendo um sistema onde cada cidadão poderá gerar um QR Code para efetuar pagamentos instantâneos, mesmo sem conectar-se à internet. A partir da plataforma, o cliente irá gerar um código de imagem no qual constará seus dados transacionais, assim isenta a necessidade de trocar informações através de plataformas de comunicação, pois uma das pontas já estará conectada.

Há previsão de lançamento para Novembro desse ano visando trazer acessibilidade à todos, mesmo que offline, e para fins de segurança, a instituição colocará um tempo limite de duração do QR Code e o valor será elaborado a cada transação.  São vários modelos previstos: códigos que permitem pagamento de valores fixos e outro onde os valores alteram a cada pagamento porém permite a identificação de outros fatores como a conciliação logística (estoques), a venda de produtos e o pagador.

O objetivo é aproximar os pagamentos eletrônicos, processos de automação e conciliação de pagamentos, além de aumentar a competitividade no mercado. Haverá capacidade de múltiplos recursos pois os códigos poderão ser lidos por instituições participantes. Uma das plataformas será desenvolvida como sistema de liquidação e outra como base de dados e endereçamento.

A partir do endereçamento será guardada a chave para cada conta, podendo ser algum dado como telefone celular, RG, CPF ou e-mail onde cada informação só poderá ser destinada à uma conta. Apesar das tarifas serem baseadas no mercado, a análise internacional indica que os valores dos pagamentos instantâneos são baixos. É um novo modo financeiro de atrair clientes e facilitar o ambiente de pagamentos, modernizando um serviço simples que não requer rentabilização muito forte.

 

Fonte: Jornal “Valor Econômico” – Finanças.
https://valor-globo-com.cdn.ampproject.org/c/s/valor.globo.com/google/amp/financas/noticia/2020/01/21/cidadao-tera-qr-code-pessoal.ghtml